Do Nyushokussai à Festa do Ovo - Parte II - Avicultura no Brasil - A Hora do Ovo

o site de notícias do mundo do ovo

VET IMPORTNetto AlimentosSemana do Ovo 2018

Avicultura no Brasil


publicidade
Semana do Ovo Ovos RS 2018VET IMPORT

A FESTA DO OVO - Parte II

A festa de fundação da cidade deu lugar, com o tempo, a uma festa mais popular e, ao mesmo tempo, aberta ao público específico da avicultura. Começou a exposição avícola, com empresas do setor apresentando seus produtos, e a visita de avicultores de todo o país.

http://www.ahoradoovo.com.br/arquivos/img/2012/6/35_99_conteudo_p.jpg
Arco do ovo, tradição em 1999

Quando o último ovo foi colocado naquele inédito portal, os animados - e já exaustos - jovens da Liga dos Moços da zona rural de Bastos, se concentraram em frente a ele para admirar a obra inusitada. Imponente, era feito com 960 dúzias de ovos, um surpreendente volume que renderia no mercado mil cruzeiros na cotação daquele mês de julho de 1948. A estrutura em madeira fora ornada com uma folhagem vistosa, a dar-lhe um ar ainda mais festivo. Escrito em seu ponto mais alto estava a palavra Exposição, que se lia devido ao contraste dos ovos vermelhos em meio aos ovos brancos. Acima de tudo tremulavam as bandeiras do Brasil e de São Paulo e, ao redor, bandeirolas coloridas que alegremente chamavam a todos para celebrar.

Estava bonito, orgulhavam-se os jovens filhos de agricultores. Mas o que seus olhos viam era muito mais que a beleza ou o valor comercial do pórtico. Aquele era um portal para Bastos entrar em um novo tempo. Vivia-se o alívio do pós-guerra. Agora podia-se voltar a festejar o Nyushokussai, a festa de fundação da cidade, após tantos conflitos gerados dentro e fora da colônia com a participação do Japão na Segunda Grande Guerra Mundial. Aquele pórtico criativo e trabalhoso passaria, então, a simbolizar a passagem de Bastos para um novo tempo, no qual o caminho para o progresso poderia voltar a ser trilhado.

Instalado na entrada da Cooperativa Agrícola Bastos, escolhida para ser o palco da mostra da produção bastense daqueles primeiros anos do município, o Arco do Ovo, como foi batizado pelos antigos, passaria a fazer parte da história de todos os Nyushokussais que viriam. Ainda hoje ele causa admiração entre as pessoas que visitam pela primeira vez a festa principal da cidade.

Passados 53 anos, a tarefa de erigir o portal, ovo a ovo, na festa anual que comemora o aniversário do município, continua a cargo dos “moços” - já nem tão moços assim - da Acerb, a Associação Cultural e Esportiva Rural de Bastos, remanescente da antiga Liga dos Moços da zona rural. A tradição é seguida à risca, num trabalho voluntário que mantém o sabor dos tempos antigos em plena fase moderna do Nyushokussai.

Ano a ano, a festa comemorativa de aniversário da cidade foi ganhando força e hoje é conhecida internacionalmente com o nome rebatizado de Festa do Ovo. Trata-se agora de uma festa da avicultura brasileira, não mais somente dos bastenses. Realizada anualmente no mês de julho, atrai para Bastos produtores de ovos de vários estados brasileiros. Empresas nacionais e multinacionais fazem questão de deixar estandes reservados permanentemente para não perderem a oportunidade de expor, durante o evento, seus produtos direcionados à produção de ovos. Muitos lançamentos em vacinas, rações e equipamentos desenvolvidos para aves poedeiras são anunciados em primeira mão em julho, durante a Festa do Ovo, pois as empresas têm a certeza de estarem atingindo diretamente o público-alvo.

São três dias de exposições de empresas avícolas, de entrega de prêmios aos produtores de ovos da melhor qualidade, além de exposições de produtos de interesse geral, como artesanato, orquídeas e flores diversas, shows populares, tenda especial para apresentação de bailados japoneses – do tradicional bon-odori ao moderno matsuri dance, do vigoroso taikô ao lírico karaokê - e uma praça de alimentação com cardápio típico do Brasil e do Japão, no qual o udon e o teishoku convivem amigavelmente com o churrasco de carneiro e o clássico popular arroz com feijão. 

Japão e Brasil se misturam por três dias intensos de festa, num evento popular que atrai pessoas de toda a região e traz muitos bastenses que hoje moram longe, mas que adoram voltar a sentir o espírito do antigo Bastos no caleidoscópio cultural e econômico em que se transformou o nostálgico Nyushokussai dos pioneiros, agora chamado orgulhosamente de Festa do Ovo.

POSTE AQUI O SEU COMENTÁRIO




Exibir comentários

    Não há comentários!